Clipping – Notícias ao minuto – A maioria dos divórcios acontece nestes meses

Grande parte dos divórcios acontece nos meses de março e de agosto, segundo um estudo pioneiro realizado pela Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

Os especialistas creem que a pesquisa seja a primeira que demonstra cientificamente a existência de um padrão sazonal de divórcios, e que sugere que os comportamentos dos indivíduos durante as festas que ocorrem no inverno e durante as férias do verão podem estar a determinar o processo.

A professora doutorada de sociologia Julie Brines, e o docente Brian Serafini detetaram um padrão consistente ao analisarem os pedidos de divórcio, entre 2001 e 2015, no estado de Washington.

“Era sempre o mesmo, de ano para ano, e depois comparámos com os dados de outros estados e de outros países e as semelhanças mantiveram-se”, explicou Brines em declarações à revista TIME.

Os investigadores especulam que os casais tendem a evitar pedir o divórcio entre o período do Natal e do Ano Novoassim como durante as férias grandes escolares no verão, porque esse tempo é considerado ‘sagrado’ para as famílias. “A vida familiar é governada por um ‘relógio social’”, referiram, “que demanda a observação e envolvimento em aniversários, férias e em outras ocasiões especiais que envolvem a família”.

Requerer o divórcio durante estes períodos especiais é socialmente inaceitável para a maioria dos casais. E inclusive muitos maridos e esposas infelizes chegam a considerar que passar um Natal feliz ou ir de férias com a família pode ajudar a salvar o casamento.

“As pessoas tendem a ter expetativas altas para estas ocasiões de festa. Muitas vezes querem acreditar que se trata de uma nova oportunidade e de um novo começo, quando de facto o que geralmente acontece é o desapontamento extremo”, disse Brines. “São épocas caraterizadas por altos níveis de stress e de ansiedade, e são de facto a última gota para muitos casais”.

Os investigadores acreditam que após esses ‘desaires’ os casais necessitem de alguns meses para colocarem as finanças em ordem, para arranjarem advogados e para finalmente reunirem a coragem para pedir o divórcio – daí o intervalo entre o Ano Novo e o pico de separações que se nota em março.

Regista-se a mesma lógica no verão, após um mês ou dois de tempo passado em família. Apesar do começo do ano letivo escolar poder acelerar o processo para os casais que tenham filhos, e contribuir para o segundo pico de divórcios no mês de agosto.

Fonte: Notícias ao minuto

Últimos posts

Comece a digitar e pressione Enter para buscar