Artigo – Casamento, divórcio e sobrenome de cônjuge: breves considerações jurídicas – Por Kelly Lisita Peres

A so­ci­e­da­de con­si­de­ra que amor e ódio são sen­ti­men­tos mui­to pró­xi­mos

O ca­sa­men­to pa­ra o âm­bi­to do Di­rei­to de Fa­mí­lia é uma re­la­ção con­tra­tu­al que cria di­rei­tos e de­ve­res pa­ra am­bos os côn­ju­ges, den­tre eles o da fi­de­li­da­de, com­pa­nhei­ris­mo, as­sis­tên­cia mú­tua, ou se­ja, igual­da­de en­tre am­bos. A pro­va do ca­sa­men­to faz-se pe­la cer­ti­dão do ca­sa­men­to, que de­ve ser re­a­li­za­do de por­tas aber­tas (Edi­fí­cio par­ti­cu­lar) e na pre­sen­ça das tes­te­mu­nhas, em re­gra du­as.

Pa­ra o Di­rei­to o ca­sa­men­to é um con­tra­to, não é ape­nas o en­vol­vi­men­to en­tre pes­so­as, pois há ge­ra­ção de di­rei­to e de­ve­res con­ju­ga­dos e  re­fle­xos em vá­ri­as es­fe­ras sob o olhar ju­rí­di­co.

O ca­sa­men­to po­de ser fei­to por pro­cu­ra­ção, por ins­tru­men­to pú­bli­co,com po­de­res es­pe­ci­ais,po­de ain­da ser nun­cu­pa­ti­vo, ce­le­bra­do em de­cor­rên­cia de mo­lés­tia gra­ve, po­de ser ce­le­bra­do ape­nas ci­vil­men­te ou re­li­gi­o­sa­men­te mas com efei­to ci­vil,sem ex­ce­tu­ar­mos o ca­sa­men­to pu­ta­ti­vo, nu­lo ou ain­da anu­lá­vel, que ge­ram di­rei­tos e de­ve­res em re­la­ção ao côn­ju­ge, ao ter­cei­ro de boa-fé e aos fi­lhos. Te­mos que des­ta­car ain­da a im­por­tân­cia das cau­sas que ge­ram im­pe­di­men­tos ab­so­lu­tos e re­la­ti­vos.

Tra­ta-se de ato for­mal que exi­ge o re­que­ri­men­to pa­ra ha­bi­li­ta­ção, pu­bli­ca­ção do Edi­tal de Pro­cla­mas que tem o pra­zo de quin­ze di­as e pos­te­rior­men­te a sua ce­le­bra­ção no pra­zo de no­ven­ta se tra­tan­do de ma­tri­mô­nio, é vá­li­do o ca­sa­men­to ci­vil ou o re­li­gi­o­so com efei­to ci­vil.

Im­por­tan­te men­su­rar que quan­do fa­la­mos em ca­sa­men­to, mui­tas pes­so­as no en­tan­to in­da­gam so­bre a uni­ão es­tá­vel. Pois bem o ques­ti­o­na­men­to é im­por­tan­te e co­e­ren­te e à luz do ar­ti­go 1726 do Có­di­go Ci­vil, é a uni­ão es­tá­vel, a en­ti­da­de fa­mi­liar co­nhe­ci­da co­mo ca­sa­men­to in­for­mal e que o Es­ta­do de­ve fa­ci­li­tar sua con­ver­são em ca­sa­men­to, bas­tan­do pa­ra is­so, com­pa­re­cer em ju­í­zo me­di­an­te a de­vi­da ação ju­di­cial ca­bí­vel e se de­fe­ri­do o pe­di­do cons­ta­rá en­tão no As­sen­to do Re­gis­tro Ci­vil.

Tan­to a uni­ão es­tá­vel co­mo o ca­sa­men­to se­guem o re­gi­me pa­tri­mo­ni­al, ana­li­san­do-se ca­da si­tu­a­ção pa­ra a atri­bu­i­ção do mes­mo e são en­ti­da­des me­re­ce­do­ras de to­do o res­pei­to, ge­ra­do­ras de di­rei­tos e de­ve­res. Na uni­ão es­tá­vel uti­li­zam-se as ex­pres­sões con­vi­ven­tes ou com­pa­nhei­ros e não “ama­sia­dos”.

O ca­sa­men­to al­te­ra o es­ta­do ci­vil dos nu­ben­tes que se tor­nam após a ce­le­bra­ção do ma­tri­mô­nio: ca­sa­dos, fa­to es­se não ve­ri­fi­ca­do na uni­ão es­tá­vel.

Po­de-se com­pro­var a uni­ão es­tá­vel com de­cla­ra­ção fei­ta em Car­tó­rio, fo­tos em re­des so­ci­ais, tes­te­mu­nhas, de­cla­ra­ção co­mo de­pen­den­te em pla­no de sá­u­de e im­pos­to de ren­da, sen­do vá­li­do ain­da es­cla­re­cer que as fo­tos e tes­te­mu­nhas de­vem com­pro­var a vi­da ma­ri­tal dos con­vi­ven­tes, ter­mo es­se uti­li­za­do pa­ra de­no­mi­nar  al­guém  que te­nha  uni­ão es­tá­vel com ou­trem.

A uni­ão es­tá­vel pre­vis­ta no ar­ti­go 1723 do Có­di­go Ci­vil, ex­pli­ci­ta a in­ten­ção em for­mar fa­mí­lia, fa­to es­se não pre­vis­to no cha­ma­do “na­mo­ro qua­li­fi­ca­do”, em que as par­tes ma­ni­fes­tam a não in­ten­ção em for­mar fa­mí­lia em da­do ins­tan­te e que não vi­vem ma­ri­tal­men­te.

Ob­via­men­te que o na­mo­ro qua­li­fi­ca­do pos­te­rior­men­te po­de ser con­vo­la­do em uni­ão es­tá­vel, a re­que­ri­men­to dos na­mo­ra­dos.

O ca­sa­men­to só po­de ser dis­sol­vi­do com a mor­te, a nu­li­da­de, anu­la­bi­li­da­de, di­vór­cio, lem­bran­do que an­tes da Emen­da 66/10 a se­pa­ra­ção ju­di­cial con­ten­cio­sa ou ami­gá­vel era con­si­de­ra­da pa­ra fins de con­vo­la­ção pa­ra o di­vór­cio, pos­te­rior­men­te.

A uni­ão es­tá­vel não po­de ser dis­sol­vi­da pe­lo di­vór­cio, mas sim por in­ter­mé­dio da dis­so­lu­ção ami­gá­vel ou li­ti­gio­sa da mes­ma, mas ge­ra ob­ser­va­ção per­ti­nen­te quan­to à par­ti­lha de pa­tri­mô­nio, guar­da e ali­men­tos de fi­lhos se for o ca­so.

O di­vór­cio que é uma das cau­sas de dis­so­lu­ção do ca­sa­men­to po­de ocor­rer ju­di­cial­men­te co­mo ex­tra­ju­di­cial­men­te. A lei 11441/2007 dis­põe so­bre o in­ven­tá­rio e o di­vór­cio ex­tra­ju­di­ci­ais. Aos lei­to­res des­se ar­ti­go in­te­res­sam sa­ber nes­se ins­tan­te so­bre o di­vór­cio ex­tra­ju­di­cial.fi­can­do o as­sun­to so­bre o in­ven­tá­rio ex­tra­ju­di­cial,pa­ra uma ou­tra opor­tu­ni­da­de.

Quan­to ao di­vór­cio exgtra­ju­di­cial faz-se mis­ter que o ca­sal te­nha con­sen­so em re­la­ção à dis­so­lu­ção do ca­sa­men­to e que os mes­mos não pos­suam fi­lhos me­no­res e ou mai­o­res in­ca­pa­zes e a mu­lher tam­bém se es­ti­ver ges­tan­te não po­de­rá ser par­te nes­sa mo­da­li­da­de de di­vór­cio, ha­ja vis­ta a ne­ces­si­da­de do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fa­zer-se pre­sen­te em de­cor­rên­cia dos di­rei­tos do nas­ci­tu­ro e em ob­ser­va­ção a Re­so­lu­ção 220/16 do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça que al­te­rou os dis­po­si­ti­vos da Re­so­lu­ção 35/07 e os ar­ti­gos 34 e 37.

Se o ca­sal ti­ver pa­tri­mô­nio em co­mum, po­de­rão fa­zer pos­te­rior­men­te a di­vi­são do mes­mo, se as­sim pre­fe­ri­rem. Po­dem ain­da cons­ti­tu­ir um ad­vo­ga­do em co­mum ou ca­da qual po­de com­pa­re­cer com seu pa­tro­no e sen­do fei­ta a par­ti­lha é la­vra­da a es­cri­tu­ra pú­bli­ca que in­de­pen­de de ho­mo­lo­ga­ção ju­di­cial.O di­vór­cio ex­tra­ju­di­cial ou ad­mi­nis­tra­ti­vo po­de ser fei­to em qual­quer Ta­be­lio­na­to de No­tas, mas sua aver­ba­ção de­ve­rá ser fei­ta no Car­tó­rio on­de até en­tão o ca­sal ha­via so­li­ci­ta­do a ha­bi­li­ta­ção pa­ra o ma­tri­mô­nio.

O di­vór­cio ju­di­cial po­de ser ami­gá­vel ou li­ti­gio­so e a com­pe­tên­cia re­cai so­bre a Va­ra de fa­mí­lia, po­den­do ha­ver o pe­di­do de for­ma cu­mu­la­ti­va, da pen­são e guar­da de fi­lhos, di­vi­são do pa­tri­mô­nio em com­pos­se do ca­sal. A com­pro­va­ção des­se di­vór­cio dá-se pe­la sen­ten­ça ju­di­cial e em ca­so de li­tí­gio há ain­da o pra­zo pa­ra a in­ter­po­si­ção de re­cur­so no âm­bi­to do di­rei­to pro­ces­su­al ci­vil.

Fa­to é que na mai­o­ria dos ca­sos,o di­vór­cio li­ti­gio­so en­se­ja mui­tos ques­ti­o­na­men­tos, dis­cór­dias em ques­tões vin­cu­la­das ao pa­tri­mô­nio e pen­são ali­men­tí­cia pa­ra fi­lhos e ou o (a) ex-côn­ju­ge.

Ou­tro pon­to im­por­tan­te a ser des­ta­ca­do nes­se ar­ti­go é o so­bre­no­me do côn­ju­ge que até en­tão ha­via si­do acres­cen­ta­do por uma das par­tes quan­do da ce­le­bra­ção do ca­sa­men­to.Era in­co­mum dis­cu­tir tal fa­to, pois com o di­vór­cio a re­gra era que a ou­tra par­te so­li­ci­ta­va em ju­í­zo pa­ra que pu­des­se vol­tar a usar o no­me de sol­tei­ra, di­go fa­zen­do uso da ex­pres­são no fe­mi­ni­no por­que há um tem­po pre­té­ri­to era  so­men­te a es­po­sa e não o ma­ri­do ou o ca­sal em con­jun­to, que fa­zia o re­fe­ri­do acrés­ci­mo do so­bre­no­me.

Co­ma mo­der­ni­za­ção do Di­rei­to de fa­mí­lia é pos­sí­vel que am­bos nu­ben­tes fa­çam o acrés­ci­mo (Ar­ti­go 1565, pa­rá­gra­fo pri­mei­ro do Có­di­go Ci­vil) ou ne­nhum de­les fa­ça ou ain­da ape­nas um fa­ça o acrés­ci­mo do so­bre­no­me do ou­tro.

O ar­ti­go 1571, pa­rá­gra­fo  se­gun­do,da le­gis­la­ção ci­vil, dis­põe so­bre a pos­si­bi­li­da­de do côn­ju­ge que fez o acrés­ci­mo no ma­tri­mô­nio, man­tê-lo, sal­vo dis­po­si­ção em sen­ten­ça ju­di­cial.

Era in­dis­cu­tí­vel que mui­tos ma­ri­dos ví­ti­mas de adul­té­rio exi­gi­am que a es­po­sa fi­zes­se a re­ti­ra­da do seu so­bre­no­me por­que ale­ga­vam que as mes­mas não hon­ra­ram seu no­me de ca­sa­da. O de­li­to de adul­té­rio foi in­clu­si­ve re­vo­ga­do do Có­di­go Pe­nal Bra­si­lei­ro no ano de 2005, mas sob o as­pec­to ci­vi­lis­ta o ca­sa­men­to é um con­tra­to e que po­de ser re­sol­vi­do (Re­so­lu­ção con­tra­tu­al) pe­lo di­vór­cio, ca­so op­te por is­so o ca­sal e a exi­gên­cia até en­tão pe­lo côn­ju­ge tra­í­do e não pe­la lei,era uma es­pé­cie de pu­ni­ção pa­ra o fa­to pra­ti­ca­do: a trai­ção no ma­tri­mô­nio.

Atu­al­men­te já é pos­sí­vel man­ter o so­bre­no­me do ou­tro,ain­da que do­no do mes­mo não quei­ra, quan­do o so­bre­no­me já es­tá con­so­li­da­do, sen­do in­clu­si­ve o en­ten­di­men­to da Ter­cei­ra Tur­ma do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, ou em ou­tras pa­la­vras, um dos côn­ju­ges não po­de im­por que o ou­tro al­te­re o so­bre­no­me con­tra sua von­ta­de.

In­dis­cu­tí­vel que mui­tas pes­so­as pe­dem a re­ti­ra­da do so­bre­no­me até por­que acre­di­tam que se fu­tu­ra­men­te con­tra­í­rem núp­cias ha­ve­rá ou­tra si­tu­a­ção com uma pes­soa di­fe­ren­te e que o pas­sa­do com o ex ou a ex ape­sar de não po­der ser apa­ga­do, não po­de tam­bém in­flu­ir em um re­la­ci­o­na­men­to “no­vi­nho” e que po­de ter chan­ces con­si­de­rá­veis de ter  mais acer­tos e me­nos er­ros e en­tão não ha­ve­ria mo­ti­vos pa­ra se ape­gar a al­go de uma re­la­ção an­te­ri­or, fa­li­da sen­ti­men­tal­men­te e sem pos­si­bi­li­da­des de re­es­tru­tu­ra­ção.

A so­ci­e­da­de con­si­de­ra que amor e ódio são sen­ti­men­tos mui­to pró­xi­mos e que de­vi­do a es­se mo­ti­vo ca­sais que se ama­ram de for­ma tão con­si­de­rá­vel, tor­nam-se ini­mi­gos e que a pos­ses­si­vi­da­de pe­los bens e até pe­lo so­bre­no­me tem se tor­na­do mo­ti­vos pa­ra lon­gas de­man­das ju­di­ci­ais.

Há ain­da aque­les  que op­tam por “de­vol­ver”o so­bre­no­me e ou­tros que man­tém ape­nas o seu sob a ale­ga­ção de que acres­cer o so­bre­no­me do es­po­so se­ria uma com­pro­va­ção do ma­chis­mo por par­te de mui­tos ho­mens. En­fim, as pes­so­as tem o di­rei­to às su­as cren­ças, su­as opi­ni­ões e for­ma­ção de no­vos re­la­ci­o­na­men­tos. O Di­rei­to de Fa­mí­lia bus­ca aper­fei­ço­ar-se ten­do-se por ba­se mui­tas ino­va­ções, mu­dan­ças e sem­pre bus­can­do apli­car de for­ma igua­li­tá­ria o res­pei­to em to­dos os seus di­re­cio­na­men­tos,se­ja na for­ma­ção de no­vas fa­mí­lias, na dis­so­lu­ção de ca­sa­men­tos,nas di­fe­ren­ças en­tre a uni­ão es­tá­vel e o na­mo­ro qua­li­fi­ca­do, no jus­to re­co­nhe­ci­men­to da so­ci­o­a­fe­ti­vi­da­de, nas  ques­tões en­vol­ven­do os fi­lhos bi­o­ló­gi­cos e os ado­ti­vos, na guar­da dos fi­lhos me­no­res, na tu­te­la, cu­ra­te­la, cu­ra­do­ria, no in­ven­tá­rio ex­tra­ju­di­cial, no di­rei­to de re­pre­sen­ta­ção a ina­dim­plên­cia do de­ve­dor de ali­men­tos sob uma vi­são do no­vo Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil, en­fim, é o di­rei­to re­no­van­do-se a ca­da dia e na lu­ta pe­la igual­da­de.

(Kelly Li­si­ta Pe­res, ad­vo­ga­da, pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria, es­pe­cia­lis­ta em Do­cên­cia Uni­ver­si­tá­ria, Di­rei­to Pe­nal e Di­rei­to Pro­ces­su­al Pe­nal) 

Fonte: DM

Últimos posts

Comece a digitar e pressione Enter para buscar